Leandro Alves: seu encontro com a música faz a diferença na vida de muitos jovens



O violinista da Orquestra Contemporânea Brasileira (OCB), Leandro Alves, nasceu em um contexto familiar marcado pela presença da música. Em Maranguape, sua cidade natal, ele aprendeu os primeiros acordes com o então professor Leixon Rodrigues e foi aprimorando seus conhecimentos em festivais de música pelo Brasil, a exemplo do Eleazar de Carvalho e do Civebra (Curso Internacional de Verão da Escola de Música de Brasília).

Um passo importante em direção ao aperfeiçoamento internacional veio em 2011, quando ele recebeu uma bolsa para estudar no Conservatoire Du Briançonnais, em Briançon, na França. O ano letivo rendeu aprendizado e reconhecimento. “Fui aprovado com felicitações e por unanimidade pelo júri”, comemora.


Leandro, que se mantém aperfeiçoando seus conhecimentos em simpósios, festivais de música e encontros, traz na sua trajetória a experiência profissional de atuação em grandes orquestras. Algumas delas: Orquestra Eleazar de Carvalho, Orquestre Symphonique de Alpes Du Sud (FRA), Orquestra Filarmônica da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte e, atualmente, OCB.


Graduado em violino pela UFRN, Leandro divide o tempo entre o palco e a sala de aula, seguindo outra vocação que é ensinar. Como professor de violino, ele vem contribuído para que muitos jovens tenham a chance de se especializar em um instrumento musical. “A música e as artes, de um modo geral, exploram o que existe de melhor no ser humano. Oferecer um ensino de qualidade musical para esses jovens, que em sua maioria não têm oportunidade, é fantástico. O Brasil tem um potencial artístico enorme, então usemos nossas ferramentas para oportunizar com muito esmero e lapidar os novos talentos”, enfatiza.


O trabalho de Leandro e outros professores está ajudando a consolidar a formação musical em vários municípios cearenses, como parte de um projeto mais amplo, coordenado pelo maestro da OCB, Arley França, que visa a estruturação de núcleos de educação musical e orquestras infantojuvenis em várias cidades. Leandro dá aula nos núcleos de Limoeiro do Norte, Cascavel e Pindoretama.


“Interagir com a música é algo bastante natural e utilizá-la como ferramenta de inclusão, além de ser desafiador, é sobretudo um grande prazer. A música nos dá ferramentas artísticas incríveis para desenvolver capacidades motoras e emocionais, o que deixa nosso trabalho ainda mais transformador na parte social”, conclui.

15 visualizações0 comentário